Doença que matou prefeito e advogado é silenciosa e exige cuidados

Por Campo Grande News 02/11/2017 - 12:06 hs
Foto: Arquivo
Doença que matou prefeito e advogado é silenciosa e exige cuidados
Cirurgião cardiovascular, João Jazbiq, explicou que patologia deve ser tratada como emergência

Em nove meses, duas personalidades públicas de Mato Grosso do Sul acabaram falecendo por aneurisma dissecante da aorta abdominal. A enfermidade consiste na dilatação da maior artéria do corpo e sua ruptura pode ocasionar hemorragia interna. Médicos indicam fatores de risco e como se prevenir.

Foram vítimas recentes o advogado criminalista Ricardo Trad e o prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha (PSDB). O cirurgião cardiovascular, João Jazbiq, explicou que essa patologia deve ser tratada como emergência. “Qualquer alerta de dor no tórax deve-se buscar assistência para fazer um diagnóstico”, recomendou Jazbiq.

No caso de Ruiter, o cirurgião explicou que o prefeito passou mal em academia de Corumbá e teve a transferência aérea postergada em uma hora para Campo Grande.

Equipe cirúrgica ainda precisou aguardar fim do efeito de medicamentos de uso contínuo e diante do agravamento do quadro foram realizados a reconstrução da aorta toráxica até a carótida e ponte de safena para recuperação do ventrículo esquerdo do coração, que parou de bater seis horas depois no CTI (Centro de Terapia Intensiva) do Proncor.

Silenciosos – Aneurismas da aorta são dilatações da parede de vaso sanguíneo e, normalmente, não apresentam nenhum sintoma. Quando grandes causam pulsação no abdomen, dor no tórax e costas.

Nem todos os casos são tratados cirurgicamente, sendo considerados no tratamento o tamanho, localização, taxa de crescimento e saúde do paciente. Ruptura é o pior dos quadros clínicos, apresentando como sintomas dor abdominal intensa, com irradiação para as costas, tontura, palidez, sudorese e desmaio.

O presidente da SBC/MS (Sociedade de Cardiologia de Mato Grosso do Sul), DelcioGonçalves, pontuou que os fatores de risco vasculares são os clássicos pressão alta, colesterol, diabetes e fumo, havendo ainda interferência de doenças genéticas como do colágeno e reumatismo.

“Via de regra qualquer adulto deve conhecer o valor da sua pressão arterial, colesterol, glicose e ter hábitos de vida saudável, além de procurar um cardiologista para determinar a periodicidade [do check up]”, ressaltou Delcio. “Doença cardiovascular não é só infarto”.