''Reajuste da Vergonha'' gera protestos contra governador Reinaldo Azambuja

''Reajuste da Vergonha'' gera protestos contra governador Reinaldo Azambuja

Manifestação gerou abertura de sindicância na corregedoria da PMMS

Por Jornal da Nova 23/11/2017 - 08:14 hs
Foto: Divulgação
\'\'Reajuste da Vergonha\'\' gera protestos contra governador Reinaldo Azambuja
Outdoor instalado em Campo Grande

O chamado ‘’Reajuste da Vergonha’’, de 2,94% aos policiais e bombeiros militares de Mato Grosso do Sul, rendeu novos protestos contra o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Para mostrar a insatisfação da categoria, a associação que os representa espalhou diversos outdoors por Campo Grande, com a frase: “Governador que não cumpre a palavra não merece o meu voto”. 

O reajuste, bem abaixo da inflação no período, foi considerado ‘’irrisório’’ pelos militares, que cobram um tratamento igualitário em comparação à Polícia Civil, que obteve 7% de aumento. 

“O governador Reinaldo Azambuja oficializou, esta semana, o reajuste da vergonha: 2,94%, concedido unilateralmente. O irrisório aumento foi dado sem anuência da categoria, que, em assembleia geral, cobrou tratamento igualitário com a Polícia Civil. Após a categoria rechaçar a proposta do Governo, que estava na casa dos 5%, e iniciar um novo aquartelamento, cobrando os mesmos 7% da Civil, o Governo encerrou o diálogo e concedeu apenas 2,94%”, postaram os representantes no Facebook institucional da associação.

A atitude resultou na criação de uma sindicância contra o presidente da entidade, o soldado QPPM RR, Edmar Soares da Silva, para “esclarecer pormenorizadamente todas as circunstâncias e ainda, as responsabilidades, devendo ao final, emitir Parecer conclusivo quanto à existência ou não de irregularidades administrativas, bem como, se houver, apontar indícios de crime de natureza Militar, de crime comum e/ou de transgressão disciplinar”.

A sindicância é assinada pelo corregedor-geral da PMMS, Marcelo Gomes Lopes, que justifica a abertura alegando que o outdoor é “ofensivo ao Exmo. Sr. Governador”.